20.1.09

No exercício do verso

Tenho por vício a prática dos versos
E a solidão por ossos do ofício;
Coloco em métricas mundos diversos:
Píncaros tantos; tantos precipícios.

Invento imagens, metáforas e tenho
Guardadas em mim infinitas miragens;
Na alma cálida e inquieta detenho,
Ávido e louco; loucas paisagens.

Porque murmura em mim tudo o que vive
E o que não vive também de mim faz parte,
Pois que sou mínimo encaixe do universo.

E passo aqui, no exercício do verso,
Na prática inigualável dessa arte,
A estar em Deus (que é tudo), inclusive.




Frederico Salvo
***************************
Direitos efetivos sobre a obra.

4 comentários:

Liliana G. disse...

Frederico, tus versos, tus metáforas, me dan la "pista de vos mismo" y me dicen al oído que tu poesía es tu vida. ¡Felicitaciones!

Vivian disse...

...o poeta pinta com letras,
quadros de emoções.

posso dizer que és um lindo?

bjuss

Miguel Barroso disse...

Boa escrita por aqui.


Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

O mar me encanta completamente... disse...

Lindo Soneto Fred!!
Bendito vício o teu, que só nos dá prazer.

Meu carinho.