19.1.09

Olfato



Meu coração me manda ir por um rumo incerto.
Manda-me prosseguir por uma escura estrada.
Vou e me guio apenas pelo olfato.
Manda-me pisar no barro da incerteza
E eu caminho na segurança do empirismo.
Tortura-se quando sigo para o certo.
Aperta-se no peito, doído, ferimento aberto.
Meu coração, esse louco,
Insiste para que eu caminhe no escuro.
Abro as narinas atento...
...Sigo.


Frederico Salvo
************************
Direitos efetivos sobre a obra.

3 comentários:

Liliana G. disse...

Hermosas metáforas, imágenes claras, líricas. Cuando el corazón nos distrae de nuestra senda es inteligente guiarnos por nuestros sentidos. Saludos.

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO FREDERICO, ADOREI O TEU TEXTO... ORIGINAL!!!
UM BOM DIA PARA TI E MUITOS BEIJINHOS DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

Carlos Barros disse...

Frederico, seus escritos são de uma espontaneadade ímpar, e sempre leva ao menos a mim, reavaliar meus sentimentos.

Um grande Abraço.
CB