15.2.09

Tom (Ao maestro Tom Jobim)

Salta aos ouvidos beleza infinita
De indescritível força e que habita
As frases das tuas composições
Sejam elas, sambas, bossas ou canções.

D’onde virá essa trama perfeita
Que em sublime harmonia se deita
E transpassa meu espírito mudo
Por um prazer infinito, absurdo?

Tua música vai de Alfa a Ômega,
Sacia a alma que vaga sôfrega
Numa estrada linda e que não tem mais fim.

Casa onde o amor e a natureza gritam,
Onde sutileza e graça se explicam:
Antônio Carlos Brasileiro Jobim.


Frederico Salvo
*****************************
Direitos efetivos sobre a obra.

3 comentários:

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO FREDERICO, SUBLIME SONETO... SIMPLESMENTE ADOREI... UMA BOA TARDE E UM GRANDE BEIJO...
FERNANDINHA

Delírios das Borboletas disse...

Belíssimo poema, obrigada por nos permitir uma leitura maravilhosa.
beijos

Sonia Schmorantz disse...

Escolher Tom Jobim é uma bela e sensivel opçao, muito bom ler.
Uma ótima semana para você.
abraço