19.2.09

Pegadas

Flores inodoras pelo caminho
Compõem a confusa paisagem.
Teu rastro torna os sabores insossos.
Vilipendiaram o ninho dos meus sonhos
E agora eu sigo farejando teus passos
Sem sentir o cheiro das flores.
Uma viseira restringe o campo da minha visão
E eu vejo somente tuas pegadas.
O azul do horizonte é apenas um vão
Entre as paredes escuras que me cercam.
Outrora convivi contigo.
Pouco sabia sobre ti,
Mas sentia tua presença ao meio-dia,
No aroma dos pratos caseiros.
Ou ao cair da tarde,
No cheiro da terra molhada pela chuva.
Ouvia teu riso puro
Misturar-se a outros risos familiares.
Eras a sutileza escondida em meus passos.
Só hoje percebo que estiveste ali.
Umas vezes mais, outras menos,
Mas estiveste.
Agora, fugidia, tu te anulas
E eu fico a farejar-te o rastro.
Ainda sinto que sou aquele menino
Que brincava sob teu olhar sereno.
Mas de ti, apesar de chamar-te tanto,
Já não sei dizer ao certo
Se ainda és felicidade.


Frederico Salvo
*****************************
Direitos efetivos sobre a obra.

5 comentários:

Liliana G. disse...

Las nostalgias caminan de nuestra mano con esos pasos perdidos para siempre. La felicidad está en los ojos de quién la mira.
¡Hermoso y nostálgico!
Un gran cariño, Frederico.

Carlos Barros disse...

Caro Frederico,
Com mestria descreves esse sentir, essa falta que muitas vezes somos tomados. Alguns mais que outros. Mas a vida sempre nos reserva momentos que nos renovam, e sentimos nosso pulsar mais vibrante, voltamos a regar nossos sonhos e plantar outros. Nossa chama se reaviva e a felicidade, novamente se faz presente.

Deixo um excerto de outro belo poema de tua autoria – AINDA HÁ TEMPO

“Se deixares de plantar esse teu sonho agora,
Caminharás vazio por tua vida afora;
Deixarás morrer, esquecida, a tua verdade.”

Sempre belas poesias!

Abraços!

angel disse...

Frederico, a felicidade é como um vento benfazejo que sopra quando não esperamos e nem nos damos conta. Vem quando menos esperamos e, como veio se vai, deixando em nós apenas a certeza que por alguns instantes aliviou nosso caminhar e nosso cansaço.
nquanto caminhamos sós sonhamos com seu retorno pois sabemos que ele volta. Só nos resta acreditar e viver e de novo , de repente sentir-se totalmente envolvido por ele.
Abraço
angel

manzas disse...

A noite adormecia na madrugada
Onde o silêncio sonegava a neblina…
Os charcos se agasalhavam na manta geada
Onde se espelhava a tua imagem cristalina
( poema, chamar por ti )

Tem um selo feito por mim
Para si, no meu blog…
Um resto de uma boa semana
Materializada em harmonia
Com muita alegria

O eterno abraço…

-MANZAS-

Carla por dentro disse...

Se os momentos foram felizes e tu os recordas com saudade aindas duvidas se é felicidade ou não?:)