12.2.09

Apenas um toque

A mão solta, vazia;
O espírito vago.
A sensação solitária de ser
Permeando de angústia o peito.
Um toque; Apenas um toque.
Isso dá jeito.
Quero o calor da tua mão em minha mão
Para que meus neurônios
Encaminhem ao meu cérebro
A sublime mensagem.
Quero no futuro, no presente,
No pretérito perfeito.

Vive-se por isso,
Sem saber que assim é.
Muitos não sabem. Evitam.
E a guerra se faz por falta do toque.
E o ódio se dá por falta do toque.
E a indiferença anseia o toque
Disfarçada de forte.
Quero o calor da tua mão em minha mão
Para que meus neurônios
Encaminhem ao meu cérebro
A sublime mensagem.
Quero no sul, no oeste, no leste, no norte.
Quero por toda vida;
Quero na hora da morte.


Frederico Salvo
**********************
Direitos efetivos sobre a obra.

3 comentários:

Liliana G. disse...

El calor de una mano sobre la otra, abre caminos de esperanzas y deja escapar un grito de libertad y de vida.
Tu poema es un canto que se queda prendido al alma de quien lo lee.
Un fuerte abrazo, amigo.

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO FREDERICO, BELÍSSIMO POEMA AMIGO... ADOREI!!!
UM GRANDE ABRAÇO DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

Anônimo disse...

adorei. só o tema torna todo o escrito interessante. parabens.