25.5.09

Vento bandido


E veio o vento bater em minha porta.
Eu, inocente, abri sem constrangimento.
_ Posso entrar um pouco? – perguntou-me o vento. –
_ Sim! Mas a casa é simples; se não se importa.
Ele entrou impávido, num torvelinho
Revirou a sala, varreu a cozinha,
Soprou meus poemas da escrivaninha,
Deixou minhas certezas em desalinho.
Depois, num rompante, saltou a janela,
Uivou no terreiro, bateu a cancela,
Quebrou a roseira que eu amava tanto.
Fiquei à soleira, mudo, entristecido,
Porque constatei que o vento bandido,
Levou-me a inocência, deixou-me o espanto.


Frederico Salvo
**********************
Direitos efetivos sobre a obra.

4 comentários:

Liliana G. disse...

Siempre llega el bandido que nos robará la inocencia, sea el viento o algún otro...
Precioso poema, siempre con una reflexión, como el resto de tus trabajos.
Un cariño grande, amigo.

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO FREDERICO, MARAVILHOSO POEMA... SUBLIMES PALAVRAS AMIGO... ABRAÇOS DE AMIZADE,
FERNANDINHA

calamanda disse...

¡Hola!¡Maravilloso poema!...
"...El viento llama a mi puerta...puedo entrar
un poco? me pregunta el viento...levou-me a
inocência...".Y con un cuadro muy acertado...¡Me
gusta!.
Ha sido un placer!.

Te envío un cordial saludo.

Calamanda

Sonia Schmorantz disse...

Decore sua alma ,
da forma mais linda que souber,
com uma poesia que lhe toque o coração,
para que na sua mudez, seja feliz,
pois alma que é, será sempre sua,
sem que ninguém no mundo a tire de você.
(Eda Carneiro da Rocha)

Desejo a você um maravilhoso final de semana,
Com muita paz e carinho.

Sônia