14.8.10

Soneto sobre a saudade


Quando você se vai a saudade aparece.
Implacável permeia minha existência.
E chego a pensar que é como se ela quisesse,
Por vontade própria, celebrar convivência.

Apressa-se em fazer, do meu peito, morada,
Compondo sorrateira a sua cantiga
Para fazer serenata de madrugada
E dragar, assim, minh’alma combalida.

Mas eu me aprumo e desfiro um golpe certeiro
Bem na fronte da saudade fria e malvada,
Encostando-lhe o sabre sobre a lapela.

E assim, estando em seu minuto derradeiro,
Sorri sabendo que eu não posso fazer nada,
Pois é seu rosto que está no rosto dela.





Frederico Salvo
************************************
Direitos efetivos sobre a obra.

3 comentários:

REGGINA MOON disse...

Fred,

Belíssimo Soneto...lindos versos!!!

Postei em meu Blog Verso & Prosa, espero que gostes!

Grande beijo e já desejando um ótimo dia!

Reggina Moon

Frederico Salvo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Frederico Salvo disse...

Querida Regina!
Obrigado por vir e principalmente pela oportunidade de ser publicado no seu excelente blog.
Um bj.
Fred.