18.10.09

Colcha de retalhos


Teço, como quem tece colcha de retalhos,
Unindo cada imagem dos sonhos que tenho;
E ainda os enfeito com alguns penduricalhos.
(Para que sejam versos melhores, me empenho.)
Pinto-os com cores de diversos matizes,
Para que aos olhos cheguem sempre com graça
E venham a ser, assim, como cicatrizes,
Marcas indeléveis nesse tempo que passa.
Quando mais tarde lançar os olhos, saudoso,
Por entre as frases que deixo nesses meus versos,
Quero sentir de novo o que senti um dia
E poder desfrutar novamente esse gozo,
A lembrança feliz de momentos diversos;
Retalhos de sonho, vivência, fantasia.


Frederico Salvo

******************************************
Direitos efetivso sobre a obra.

2 comentários:

RaSena disse...

olá, Frederico,
é, assim, durante nossas vidas vamos tecendo colchas, em alguns pontos bem coloridas e, em outros, cores frias e cinzentas.
boa semana!
abraços,

Nem ao menos sei disse...

Adorei...
Seus escritos são maravilhosos