10.2.12

Sobre fogo brando (republicado)


Fogo brando em ti mantenho aceso
Para que queime calmo. Continuamente.
Não me interessa os grandes incêndios.
Quero o calor que aquece, mas não queima.
Não quero a rápida incineração,
O cheiro de carne queimada.
Interessa-me o aroma inebriante
Do cozimento lento a instigar o apetite.
Interessa-me a água na boca por exercício do olfato.
Que eu possa olhar-te a vida inteira
Com a chama branda a aquecer-te o peito
E o teu olhar a acusar o fato.
Deixa que eu te prove a carne morna
Sobre os lençóis amenos e sob a noite cálida.
O teu arrepio, que disfarça o lume ardente,
Trazendo a mim tua energia toda,
Teus desejos quentes.
Que essa chama esteja sempre a aquecer-te a alma
E a tua aura a contornar-te o corpo;
Um contorno morno a abraçar-me tanto,
Num abraço lento a aquecer-me todo
Como se fosse fogo a cozer-me a carne.



Frederico Salvo
**************************
Direitos efetivos sobre a obra.

4 comentários:

Anônimo disse...

Mesmo em fogo brando temos que tomar cuidado para que essa chama do amor não se apague.
Gostei demais do que li poeta.

Iana disse...

Ui.. naveguei.. naveguei e olha euzinha aqui.. :D de repente me deparei com um lindo espaço cheio de poemas e fotos lindas.. me encantei ao ler-te e não deixei de comentar...

Voltarei mais vezes, gostei imenso do que li e do que vi por todo o espaço...
Abraços de uma simples rosa amiga
Iana!!!

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDOP FREDERICO, MARAVILHOSO POEMA... ADOREI AMIGO... UM GRANDE ABRAÇO DE CARINHO,
FERNANDINHA

Iana disse...

A sua doce visita foi maravilhosamente calorosa...
Adorei sua presença... você já faz parte do meu jardim florido e perfumado... és benvindo!
Um grande fim de semana
beijusss mil da rosa amiga
Iana!!!volta mesmo hein??? :D