6.11.10

Pote quebrado



Meu coração, esse pote quebrado,
Ainda guarda um palmo d’água fresca
Que afasta a sede, nutre e me refresca
Pelo deserto onde tenho andado.

É essa água que ainda me resta
Que umedece o peito ressecado,
Que mesmo pouca, supre e tem me dado
Alguma luz que a esperança empresta.

Meu coração, esse pote quebrado,
Guarda em seu bojo, precioso fluido
Que me dá vida quando a mim perpassa.

Néctar divino, líquido sagrado,
Que eu não a tenha à míngua por descuido.
Nunca me falte, mesmo sendo escassa.


Frederico Salvo

Um comentário:

Elsine disse...

Água, essência.